COTIDIANO

Alberto Goldman morre aos 81 anos

Publicado às 10h30

Por Gabriel Cabral

Morre aos 81 anos o ex-governador de São Paulo, Alberto Goldman (PSDB). Ele estava internado desde 19 de agosto no Hospital Sírio Libanês, na Bela Vista, região central da cidade.

O velório ocorre nesta segunda-feira, 2, das 8h às 14h, na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP). O enterro está previsto para as 15h, no Cemitério Israelita do Butantã.

O político tratava um câncer no hospital, mas passou mal. Ele sofreu uma hemorragia no cérebro e precisou passar por cirurgia, mas não resistiu e faleceu. Além da esposa, Deuzeni Goldman, o tucano deixa cinco filhos e quatro netos.

Vida política

Ex-comunista e judeu, Goldman foi governador do Estado de São Paulo de abril a dezembro de 2010, quando assumiu o cargo no lugar de José Serra (PSDB), de quem era vice. Serra saiu para disputar a Presidência da República naquele ano.

Nome forte do partido, Goldman foi secretário estadual de Desenvolvimento, função que acumulou com a de vice-governador. Também foi deputado estadual e federal.

Desavenças e homenagens

O ex-governador se tornou um dos mais marcantes críticos do ex-prefeito de São Paulo e atual governador, João Doria (PSDB), que publicou um post “curto e sem muitas homenagens” no Twitter. Em suas palavras, prestou condolências à família e decretou luto oficial de três dias no Estado.

Em outubro de 2017, Doria publicou um vídeo em que chama Goldman de improdutivo e fracassado. Disse também que o político “agora vive de pijamas em sua casa”.

Nas eleições presidenciais de 2018, o político tucano surpreendeu ao declarar apoio a Fernando Haddad (PT) no segundo turno da disputa.

O petista publicou hoje em seu Twitter: “Alberto Goldman era um democrata. Em tempos sombrios, sua ausência será sentida ainda mais.” Gleisi Hoffmann (PT) e Luiza Erundina (PSOL) também prestaram homenagens. “Com pesar recebemos a morte de Alberto Goldman. Em momentos importantes da vida nacional ele manifestou-se pela resistência democrática. Em nome do PT manifesto sentimentos aos familiares, amigos e aos militantes do PSDB”, disse a presidenta do Partido dos Trabalhadores. “Lamentando a partida do ex-Governador de SP, Alberto Goldman, manifesto minha solidariedade aos seus familiares e amigos e peço a Deus que os conforte neste difícil momento de perda. Vá em paz, companheiro, e aqui continuaremos a sua/nossa luta em defesa da democracia”, disse, também, Erundina.

Parlamentares de direita também se manifestaram. “Presto aqui minha homenagem ao amigo e colega na Câmara dos Deputados Alberto Goldman. Assumimos a liderança da oposição na mesma época, eu no PFL e ele à frente do PSDB, e construimos, no período, uma grande amizade”, publicou Rodrigo Maia (DEM).

Formado em engenharia civil pela Universidade de São Paulo, nasceu em 12 de outubro de 1937 em uma família judia. Seus pais vieram da Polônia e eram comunistas marxistas. Ele iniciou sua vida política no Partido Comunista Brasileiro (PCB), mas, já que a legenda ainda não era legalizada, foi eleito pela primeira vez pelo MDB, em 1971, no cargo de deputado estadual.