COTIDIANO

Câmara dos Vereadores gasta mais de R$1 milhão por mês com planos de saúde privados

Publicado às 10h

Por Gabriel Cabral

Sancionada em junho de 2018, a lei de auxílio-saúde da Câmara Municipal de São Paulo beneficiou 2.032 funcionários ativos e os 55 vereadores que têm direito ao benefício, que gerou aos cofres públicos o gasto de R$14,5 milhões, ou seja, mais de R$1 milhão por mês.

O dinheiro serviu como ressarcimento aos servidores pela contratação de planos de saúde e odontológicos. A lei do auxílio-saúde acaba de completar um ano e já mostra o quanto a medida afetará o município.

Foto: Nelson Antoine/Folhapress

O projeto que virou lei foi proposto pela Mesa Diretora da Câmara (órgão que reúne lideranças do Legislativo). Além dos planos de saúde, ele ressarce gastos odontológicos com vereadores, funcionários comissionados e aqueles afastados para prestar serviços em outros espaços da administração pública, servidores, policiais civis e militares que estão lotados no Parlamento Municipal. A medida ainda beneficia dependentes (cônjuges, filhos solteiros com até 21 anos – ou 24, se forem estudantes -, pais (desde que comprovada dependência econômica) e irmãos solteiros (sem economia própria, que sejam portadores de necessidades especiais ou interditados por alienação mental).

A lei evita que os servidores da Câmara não gastem seus “recursos pessoais” com planos de saúde privados e, também, faz com que eles não utilizem o Sistema Único de Saúde (SUS) da cidade, que há anos enfrenta dificuldades resultante da “falta de recursos”.

As informações foram adquiridas pela Folha de SP via Lei de Acesso à Informação.

 

Folha Noroeste

Somos o maior prestador da região Noroeste, com mais de 100 mil exemplares impressos a Folha do Noroeste tem se destacado pelo seu comprometimento com a Noticia e tem ajudado a milhares de pessoas a divulgar os problemas do cotidiano de nosso bairro.

Adicione Comentário

Clique aqui para postar um comentário