REGIONAL

Comunidade em alerta: vigilantes podem dar lugar a guardas-civis em escolas, afirma sindicato

Publicado às 10h

Por Priscila Perez

Uma leitora apontou em nosso Facebook, em uma semana de violência na região, a existência de um documento do Seevissp (Sindicato dos Empregados em Empresas de Vigilância, Segurança e Similares de São Paulo) avisando sobre a intenção da Prefeitura de substituir os vigilantes que fazem a segurança 24 horas nas 1,7 mil unidades da rede municipal de ensino  por guardas-civis metropolitanos. Desse modo, o serviço passaria para as mãos da Secretaria Municipal de Segurança Urbana.

Aviso do Seevissp. Foto: Reprodução/Facebook.

A mudança ocorreria até o dia 31 de outubro, após a rescisão do contrato com as oito empresas responsáveis pelo serviço. A decisão afetaria escolas, CEUS (Centros de Educação Unificados) e CEIs (Centros de Educação Infantil). A princípio, os primeiros cortes deveriam ocorrer entre os dias 16 e 17. Após a repercussão do caso, que alarmou a comunidade, o sindicato se manifestou novamente. Segundo ele, houve, sim, a intenção – por parte da Prefeitura – de substituir os vigilantes nas escolas, mas a categoria está em processo de diálogo com a administração municipal.

O CEU Pêra Marmelo, no Jaraguá, por exemplo, conta hoje com até dez vigilantes por turno (manhã e noite). Tudo isso devido ao seu tamanho e à localização. Outro CEU importante é o Vila Atlântica, cuja programação cultural é intensa. “Muito triste, infelizmente não temos segurança nos parques, CEUs e escolas. Nossos filhos correm perigo”, refletiu uma de nossas leitoras no Facebook.

CEU Vila Atlântica. Foto: Arquivo.

E a Prefeitura, o que diz?

O governo municipal afirma que a Secretaria de Educação cumpre determinação do Tribunal de Contas do Município (TCM) para “encerrar contratações emergenciais”. Contudo, nenhuma das 175 escolas ficará sem vigilância. Quanto aos Centros Educacionais Unificados, a Prefeitura explica que não possui contrato emergencial para vigilância, a qual é executada por empresas contratadas. Portanto, não haverá mudanças. As dúvidas do sindicato serão respondidas pela Divisão de Gestão de Contratos.

A GCM, por meio de seu sindicato – o SindGuardas -, é cautelosa sobre a possibilidade, já que não haveria efetivo suficiente para assumir a nova atribuição. “O problema é aumentar o trabalho, com a mesma quantidade de pessoas. A conta não fecha”, explica Clóvis Roberto Pereira, presidente da entidade.

Folha Noroeste

Somos o maior prestador da região Noroeste, com mais de 100 mil exemplares impressos a Folha do Noroeste tem se destacado pelo seu comprometimento com a Noticia e tem ajudado a milhares de pessoas a divulgar os problemas do cotidiano de nosso bairro.

Adicione Comentário

Clique aqui para postar um comentário