REGIONAL

Parque Estadual do Jaraguá celebra 25 anos de tombamento pela Unesco

Publicado em 18/11, às 9h30

Por Priscila Perez

Recentemente, um incêndio colocou o Parque Estadual do Jaraguá, na zona noroeste da capital, nos holofotes. Naquela segunda-feira, 4 de novembro, o paulistano temeu pela degradação daquele reduto de Mata Atlântica que estava sendo consumido pelo fogo. O incêndio foi controlado, não houve vítimas nem prejuízos estruturais.

Incêndio no Parque do Jaraguá. Foto: Reprodução/TV Globo.

Por coincidência, o caso ocorreu em um mês muito importante para o parque, que celebra 25 anos do tombamento pelas Organizações das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) como Patrimônio da Humanidade. Em 1994, a entidade classificou a área verde, que detém o ponto mais alto da cidade – o Pico do Jaraguá, com 1.135 metros de altitude –, como “reserva da biosfera da Mata Atlântica”. São aproximadamente cinco mil hectares de puro verde. Antes ainda, em 1983, a área havia sido tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico (Condephaat).

Pico do Jaraguá. Foto: Eugenio Pacceli
História

A área verde, que antigamente era conhecida como Fazenda Jaraguá, pertence ao Governo de São Paulo desde 1939. Mas foi apenas em 1961 que o Estado a transformou em parque. Na região do Jaraguá, encontramos ruínas de mineração de ouro e o Casarão Afonso Sardinha, edificação histórica do bandeirante mais antigo da região. A extração de ouro foi tão intensa no Jaraguá, sobretudo entre 1580 e 1640, que o local ficou conhecido como “Peru do Brasil”. Este detalhe histórico consta no Plano de Manejo da área verde.

Casarão Afonso Sardinha, dentro do Parque Estadual do Jaraguá. Foto: Reprodução/Wikimedia.

Ainda no século XVI, os colonizadores lutaram contra os indígenas pela posse da terra. Na década de 1960, os guaranis voltaram a se estabelecer na região, divididos em duas aldeias, onde procuraram manter a língua e sua cultura.

Antenas no Pico do Jaraguá

Foi apenas em 1962 que o Governo do Estado autorizou a instalação de torres de televisão e retransmissores no Pico do Jaraguá. A Rádio Bandeirantes S.A foi a primeira, depois vieram a TV Globo, a Rádio Cultura e Televisão Educativa, Rádio USP e TVA.

Veja também: Um passeio pela história: sistema da Prefeitura mapeia achados arqueológicos na zona noroeste.

Folha Noroeste

Somos o maior prestador da região Noroeste, com mais de 100 mil exemplares impressos a Folha do Noroeste tem se destacado pelo seu comprometimento com a Noticia e tem ajudado a milhares de pessoas a divulgar os problemas do cotidiano de nosso bairro.

Adicione Comentário

Clique aqui para postar um comentário