TURISMO

Eu queria subir num elefante, sim! QUERIA, eu disse

Publicado às 17h, por Miriã Arruda

Quando planejava minha viagem à Tailândia, via várias fotos lindas – inclusive de famosos – em cima dos elefantes e achava o máximo. Até começar a pesquisar sobre esse tipo de turismo/exploração.

Mudei de ideia e escolhi um santuário “no ride”, pois existem lugares que dizem ser santuários, mas mantêm os elefantes acorrentados ou vendem passeios nas costas deles.

Ao chegar no país, por Chiang Mai, meu primeiro tour foi ao Elephant Jungle Sanctuary. Estava com medo de ter escolhido errado e me arrepender. Mas ver os elefantes livres e tão brincalhões me fez tão bem, que tive certeza de que eu tinha escolhido o lugar certo.

Alimentamos, damos banho, brincamos, sempre no tempo deles. Sem nenhum tipo de arma para chamá-los, alguém em cima ou correntes prendendo. O espaço era realmente grande com muita mata e até um rio.

Já na cidade de Ayutthaya, era nítido ver o sofrimento dos elefantes que aguardavam turistas para carregarem num trajeto já determinado pelo seu “domador”. Vi alguns apanhando, outros machucados, todos presos em correntes, pouca comida e muito barulho.

É muito triste saber que essa prática é bem comum em muitos países e com diversos animais. Mas com certeza abriu meus olhos para um turismo mais consciente e espero abrir de outras pessoas também.

Conhece alguém que quer andar de elefante? Compartilhe este link para que também desista dessa ideia.

 

Folha Noroeste

Somos o maior prestador da região Noroeste, com mais de 100 mil exemplares impressos a Folha do Noroeste tem se destacado pelo seu comprometimento com a Noticia e tem ajudado a milhares de pessoas a divulgar os problemas do cotidiano de nosso bairro.

Adicione Comentário

Clique aqui para postar um comentário